Parlamentares comemoram retirada dos animais do Parque Treze de Maio

“Décadas de luta e articulação pelo bem-estar desses animais”, diz Andreza Romero sobre início da retirada dos animais do Parque Treze de Maio. Solicitação antiga por parte dos que defendem a causa animal, as espécies que vivem no minizoo do Parque Treze de Maio, no centro do Recife, começaram a ser retiradas do local nesta manhã. O deputado Romero Albuquerque e a vereadora e secretária dos Direitos dos Animais do Recife, Andreza Romero, há muito vinham lutando para que os bichos fossem levados para um lugar mais adequado, longe do barulho e da poluição. Além disso, no Parque Treze de Maio, muitas vezes esses animais são alimentadas de forma inadequada por crianças e visitantes, e acabam comendo, por exemplo pipocas e doces. Outro problema da moradia no Parque é a inadequação para o descanso, devido à forte poluição sonora. Lá eles também são obrigados a viver em espaços minúsculos, jaulas sem área suficiente para a vida em cativeiro, onde também não há controle de reprodução. A estadia dos animais no Treze de Maio fere, inclusive, a Lei estadual 14.639/2012, que proíbe animais silvestres, selvagens ou exóticos em ambientes de clausura em praças, parques e espaços públicos semelhantes. “Há muito tempo estamos na linha de frente dessa luta, que somente agora, com o trabalho de Andreza na Secretaria dos Direitos dos Animais, chegou à vitória. Desde às 5h da manhã nossa equipe e as equipes da prefeitura estão fazendo o resgate desses animais, para que venham a viver de forma adequada e digna, longe do estresse que vêm sofrendo por causa do barulho e dos outros problemas do local”, disse Romero Albuquerque. O mini zoo do Treze de Maio existe desde 1976. Lá habitam macacos-prego, araras Canindé, papagaio, seriemas, pavão, rolinhas, galinhas, gansos, patos, saguis e camaleão, entre outras espécies. Hoje foram retiradas 12 araras e 32 rolinhas. Segundo a vereadora Andreza Romero, “essa não é a primeira vez que os animais ficam expostos em condições inadequadas para “entretenimento humano”. Outro caso emblemático foi o da peixe-boi Xica, que na década de 70 foi colocada em um tanque pequeno e raso em plena praça do Derby, onde adquiriu deformações e cicatrizes pelo espaço inapropriado, e acabou sendo transferida para Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA), em Itamaracá, depois até mesmo de briga judicial. Ela acabou morrendo sem poder voltar à natureza. Até quando submeteremos os animais a esse tipo de sofrimento?”, disse. Os animais resgatados foram levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), na Guabiraba, espaço voltado à reabilitação de animais silvestres administrado pela Agência Estadual do Meio Ambiente (CPRH). A previsão é de que até a primeira quinzena de novembro todos os animais sejam retirados e as gaiolas sejam desmontadas.

Causa Animal Recife Luís Romero
“Décadas de luta e articulação pelo bem-estar desses animais”, diz Andreza Romero sobre início da retirada dos animais do Parque Treze de Maio.
Solicitação antiga por parte dos que defendem a causa animal, as espécies que vivem no minizoo do Parque Treze de Maio, no centro do Recife, começaram a ser retiradas do local nesta manhã. O deputado Romero Albuquerque e a vereadora e secretária dos Direitos dos Animais do Recife, Andreza Romero, há muito vinham lutando para que os bichos fossem levados para um lugar mais adequado, longe do barulho e da poluição. Além disso, no Parque Treze de Maio, muitas vezes esses animais são alimentadas de forma inadequada por crianças e visitantes, e acabam comendo, por exemplo pipocas e doces. Outro problema da moradia no Parque é a inadequação para o descanso, devido à forte poluição sonora. Lá eles também são obrigados a viver em espaços minúsculos, jaulas sem área suficiente para a vida em cativeiro, onde também não há controle de reprodução. A estadia dos animais no Treze de Maio fere, inclusive, a Lei estadual 14.639/2012, que proíbe animais silvestres, selvagens ou exóticos em ambientes de clausura em praças, parques e espaços públicos semelhantes.
Há muito tempo estamos na linha de frente dessa luta, que somente agora, com o trabalho de Andreza na Secretaria dos Direitos dos Animais, chegou à vitória. Desde às 5h da manhã nossa equipe e as equipes da prefeitura estão fazendo o resgate desses animais, para que venham a viver de forma adequada e digna, longe do estresse que vêm sofrendo por causa do barulho e dos outros problemas do local”, disse Romero Albuquerque. O mini zoo do Treze de Maio existe desde 1976. Lá habitam macacos-prego, araras Canindé, papagaio, seriemas, pavão, rolinhas, galinhas, gansos, patos, saguis e camaleão, entre outras espécies. Hoje foram retiradas 12 araras e 32 rolinhas. Segundo a vereadora Andreza Romero, “essa não é a primeira vez que os animais ficam expostos em condições inadequadas para “entretenimento humano”. Outro caso emblemático foi o da peixe-boi Xica, que na década de 70 foi colocada em um tanque pequeno e raso em plena praça do Derby, onde adquiriu deformações e cicatrizes pelo espaço inapropriado, e acabou sendo transferida para Centro de Mamíferos Aquáticos (CMA), em Itamaracá, depois até mesmo de briga judicial. Ela acabou morrendo sem poder voltar à natureza. Até quando submeteremos os animais a esse tipo de sofrimento?”, disse. Os animais resgatados foram levados para o Centro de Triagem de Animais Silvestres (Cetas), na Guabiraba, espaço voltado à reabilitação de animais silvestres administrado pela Agência Estadual do Meio Ambiente (CPRH). A previsão é de que até a primeira quinzena de novembro todos os animais sejam retirados e as gaiolas sejam desmontadas.

COMENTÁRIOS